Jornal Letras do Alva   •   Director: Luís António Silva   •   Ano: III

Coletes amarelos em Portugal dia 21? A opinião de Daniel Oliveira

Coletes amarelos em Portugal dia 21? A opinião de Daniel Oliveira

Daniel Oliveira acredita que o protesto marcado para esta sexta-feira é "oportunismo" por parte da extrema-direita e aponta o dedo aos jornalistas pela forma como estão a noticiar o tema. No espaço 'A Opinião', na TSF, Daniel Oliveira acusou os jornalistas de estarem "mortinhos por ver as ruas em chamas". "A excitação é tanta que publicam horários e locais de encontro de um protesto sem rosto, num trabalho de mobilização raramente visto. Agora, são eles que estão a convocar a coisa", alertou, frisando que "poucos fazem o seu trabalho" para saber que começou por marcar este "suposto bloqueio nacional de estradas sem nenhuma reivindicação clara". O comentador reforça que "nem perante a evidência de que isto foi iniciado por pessoas ligadas a minúsculos grupos de extrema-direita, a comunicação social desarma, porque era mesmo giro, mesmo moderno, mesmo animado que isto fosse a sério", ironiza. Em relação aos paralelismos com os coletes amarelos franceses e a manifestação 'Que se lixe a Troika' garante que há muitas diferenças, até porque "estes movimentos tiveram rastilhos evidentes que os fizeram explodir: em Paris foi a criação de uma taxa e o aumento do gasóleo em 23% num só ano e em Portugal, em 2012, foram as mudanças na TSU". "Aqui, ninguém sabe o que foi e isso deveria chegar para perceber que isto nada teve de espontâneo", salvaguardou. "Motivações deste movimento foram um buraco negro, querem ser ouvidos para que mude alguma coisa, para que mude o quê não sabem, quem vai ser ouvido também não", explicou. No mesmo sentido, Daniel Oliveira acrescentou ainda que "autores de páginas de notícias falsas e os ativistas radicais querem que isto apareça" e que são "os movimentos de extrema-direita lucram no fim". É um "oportunismo é descarado", realça, "e mesmo assim os jornalistas estão excitados, querem animação, diretos, audiências, querem que Lisboa seja Paris". "Não é difícil intuir que o movimento que marca um bloqueio para a véspera do fim de semana de Natal não pode ter real implantação popular, muito menos entre os camionistas que têm nesta época oportunidade de estar com as suas famílias, mas a data é excelente para poucos criarem o caos no trânsito e parecerem imensos. E é assim que os extremistas esperam enganar o máximo de pessoas e terem a sua primeira oportunidade em meio século de democracia", conclui o comentador.