Jornal Letras do Alva   •   Director: Luís António Silva   •   Ano: III

Interior atrai cada vez mais moradores estrangeiros. Gouveia e Seia, estão a ser mais procurados por holandeses

Interior atrai cada vez mais moradores estrangeiros. Gouveia e Seia, estão a ser mais procurados por holandeses

A Noticia que hoje faz manchete no "jornal i" já o foi em Agosto de 2017 no jornal de Noticias.

De todo o modo porque é um dado crescente e que consideramos positivo para a nossa região, também nós no jornal Letras do Alva decidimos fazer aqui uma abordagem a este tema.

O que procuram estes novos "povoadores" do interior?

Em busca da qualidade de vida

A principal razão que leva os estrangeiros a procurarem as zonas mais desertificadas do país - de onde os portugueses têm fugido nos últimos anos - é, para o coordenador da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, a qualidade de vida.

"São pessoas em idade ativa e reformados que estão a valorizar, de forma mais rápida que os portugueses, essa vertente de estar na vida", acredita João Paulo Catarino.

"Temos segurança, infraestruturas públicas de grande qualidade e estamos perto dos grandes centros, ao contrário do que por vezes achamos", acrescenta o ex-presidente da Câmara de Proença-a-Nova, que defende que este fenómeno pode ajudar os portugueses a olharem para o interior "de forma mais descomplexada".

"Em Portugal, ainda achamos que o cosmopolita é melhor", lamenta.

O interior está a atrair cada vez mais estrangeiros. De tal forma que, em 2016, Castelo Branco, Bragança e Guarda foram os três distritos que, percentualmente, ganharam mais imigrantes residentes, apesar de o número ter crescido em praticamente todo o país. Fatores como a "qualidade de vida", a segurança, o contacto com a natureza e a "facilidade" em chegar aos grandes centros ajudam a explicar o fenómeno. Segundo o último Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA), divulgado recentemente, havia, em dezembro de 2016, 387 731 estrangeiros a viver em Portugal. "Inverteu-se a tendência de decréscimo do número" de imigrantes, concluiu o SEF.

Entre 2015 e 2016, o aumento foi de 2,3%. E as explicações para a subida assentam em dois fatores de atratividade, segundo o serviço. Por um lado, "a perceção de Portugal como país seguro" e, por outro, "as vantagens fiscais decorrentes do regime para o residente não habitual". Independentemente das razões, os três distritos em que a população estrangeira mais subiu em termos percentuais são do interior. Castelo Branco foi a região que ganhou mais imigrantes. A subida foi de 11,9%, para um total de 3642 residentes. Segue-se Bragança, distrito onde o aumento foi de 11,6% para 2685 imigrantes.

Na Guarda, os estrangeiros subiram 9,5% e são já 1845. Além de o número de estrangeiros ter subido sempre nos últimos anos, há nacionalidades novas. Em Castelo Branco, por exemplo, há cada vez mais ingleses. Em 2013, o Reino Unido era a sexta nacionalidade mais representada no distrito, no ano passado passou a ser a terceira.

E há concelhos, como o Fundão, onde os ingleses são já a maior comunidade estrangeira. Quanto à zona da Guarda, e especialmente os concelhos da serra da Estrela, como Gouveia e Seia, está a ser mais procurada por holandeses - que, em 2013 não faziam sequer parte da lista das 10 nacionalidades mais representativas do distrito.

Agora são a nona. IN-https://www.jn.pt/nacional/interior/interior-atrai-cada-vez-mais-moradores-estrangeiros-8720764.html